12/31/2008

POEMA 12, de Carlos Drumond de Andrade (enviado por: Teresa Palma Fernandes)

RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 
(mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo 
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 

Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumadas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 

É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.


12/30/2008

Natal... ou a ti que desapareces... (por: Gonçalo Barra)

... também as ondas se diluem no mar, e continuamos a chamá-las ondas, e também as marés se levantam e se esgueiram, e continuamos a chamá-las marés, e assim como água que somos, também nós nos espraiamos e encristamos, como, também,  o Sol nascente e poente, esse o nosso "vero pater", se espalha pelas nuvens e pelo leito do Tejo, como um espelho, para se reconcentrar no Zénite, impiedoso e altivo, porém, sempre cativo da incerteza até ao solstício, até ao Natal, ao renascimento confirmador do "Sol Invictus", e aí procuramos nós assumir a sua luz, descobrir as nossas feridas e fraquezas, e colmatá-las de alimento corpóreo e emocional, buscando a essência, o espírito do tempo que nos permita surpreender o futuro, esse negrume que sempre nos está engolindo, assim, como pó de estrela que comunica com o original, vamos nós confirmando a vitória do Sol, a imensa Luz Divina que a todos, sem diferença, quer cobrir, é a esperança do "Sol Omnibus Lucet" que nos perpassa, e na esperança vamos encontrando a nossa própria e funda fronteira, e na sua ausência as prisões cujos muros nós próprios alimentamos, o Natal sabe a isto, a esperança, a sangue novo, lustrado em cada copo de vinho velho, de velhos saberes e sabores, e sabe muito a felicidade, pois neste brilho eis que nos encontramos, e nos vamos reconhecendo, e essa humana certeza é o verdadeiro prémio de acreditar em tudo o que não se vê, como um lugar a que podemos chegar, e aí nós nos temos encontrado, neste nosso espaço de partilha e fuga, neste lugar de itinerância migratória que definimos como amizade, aí me encontro agora e ao que sabe? A vinho, a vinho velho e a vida, a vida nova.
 
Salue!

12/27/2008

"I much prefer the sharpest criticism of a single intelligent man to the thoughtless approval of the masses"

Johannes Kepler

12/26/2008

BIOLOGIA 3


BEHE, Michael, A Caixa Negra de Darwin, Lisboa, Ed. Esquilo,  2008 (Ca. 345 pp. e 19.50 euros)

“Do pequeno grupo de cientistas que se ocupa de design inteligente, Behe é o mais proeminente e os seus argumentos são de longe os mais conhecidos”

(H. Allen Orr, “The New Yorker” na contra-capa do livro)

“A primeira alternativa ao gradualismo  foi consagrada por Lynn Margulis. Em lugar de uma visão de progresso fundado na competição e na disputa, ela propõe que o avanço se baseia na cooperação e na simbiose. Na sua perspectiva os organismos ajudam-se uns aos outros, juntam forças e realizam em conjunto aquilo que não poderiam fazer separadamente. (…) Embora inicialmente desconsiderada e até ridicularizada, Margulis começou a ganhar adeptos (…) pela sua ideia de que as diversas partes da célula terão sido no passado organismos vivos independentes” (p.217)

“O que é o design? O design constitui simplesmente uma disposição intencional de partes. (…) Como podemos detectar que algo foi concebido? No que diz respeito a sistemas físicos formados por diversas partes, mesmo que não  haja um caminho gradual para a sua produção, é evidente a existência de design, quando se encontram diversas componentes separadas e interactivas, de modo a que realizam uma função diferente daquela que é desempenhada pelos seus componentes separados. Quanto maior for a especificidade dos componentes em interacção necessários para produzir essa função, maior será a nossa confiança na conclusão que afirma o design”. (p.223,4)

 “porque é que a comunidade científica nao abraça confiante a sua espantosa descoberta [o design inteleigente – N. de kriu] (…) o dilema consiste no facto de um dos lados do elefante ser designado como design inteligente e o outro ser chamado Deus” (p. 264)

 

 

12/23/2008

MEDIA 2


Elias, Herlander, O Vídeojogo e o Entretenimento Global First Person Shooter, Lisboa, Col. Media XXI, 2008 (Ca. 180 pp. e 15 euros)

“O que vinca a distinção do FPS face ao shooter normal é o facto de primar pela perspectiva na primeira pessoa. (…) o jogador quando interage com o ambiente virtual do FPS vê toda a acção (ergon) como se estivesse a contemplar tudo através dos olhos da personagem” (p.15)

(…) além dos grafismos, as sonoridades são de um realismo estonteante porque se escutam sons de máquinas, passos de pessoas, tiros, outros equipamentos (…) que fazem do FPS algo de muito realista (…) ao ponto de deixarem memórias nos jogadores como se tivessem sido de facto uma experiência real (…) Por este motivo é que Atkins [Barrym Atkins, More Than a Game – The Computer Game as Fictional Form, Manchester, Nova Yorque: Manchester University, Press. 2003, N. de Kriu] usa a expressão “gritty engagement” (p. 22)

“A grande relevante neste aspecto [numa cultura orientada pela tecnologia – N. de Kriu] deve-se de facto a Macluhan porque “(…) in operational and practical fact, the médium is the message (…) retira-se deste excerto a ilação de que a mensagem é formatada pelo meio, o que representa uma impressão do código no meio da mensagem (…) então os jogos são a mensagem de um meio mais amplo” (p. 56,7)

“Os jogadores-utilizadores de jogos 3D tomam o espaço virtual, não apenas como lugar mas sobretudo como conteúdo, isto é, mais do que partilhar jogos e ficheiros o jogador encontra no cyberespaço um refúgio(..) uma zona-limite para exercitarem as suas identidades alternativas e também para se refugiarem. O cyber-espaço (…) é assim o verdadeiro jogo, o real jogo aquele que os jogadores utilizadores procuram (…) o jogo técnico e o jogo virtual são facetas da mesma aventura que se busca como conteúdo e não somente como contexto (p.134)

 

Nota: o livro contém 26 páginas (153 a 179) de bibliografia e sitografia acerca de media e jogos.

 

 

12/18/2008

PORTUGAL 6


"Não é nada de novo os portugueses fazerem "sacrifícios", sempre foram chamados a fazê-los ao longo da história. O pior é que os façamos, con honrosas excepções, a mando de dirigentes incompetentes, ou corruptos que mantêm Portugal atrasado e os portugueses ignorantes. Foi assim na monarquia e segue sendo assim em democracia. A única diferença é de que agora todos somos responsáveis.

Henrique Neto

(in "Semanário Expresso", suplemento de "Economia" de 13/12/08, p. 22)

SOCIOLOGIA 3

l

CAETANO, Ana, Abusadores Sexuais, Quem, Como e Porque o São?, Lisboa, Produções editoriais, 2008. (Ca. 165 pp. e 14 euros)

“Estimam-se actualmente a existência de sites, com teor pornográfico superior a um milhão. Calcula-se que a indústria que funciona por detrás dos mesmos, obtenha uma facturação, por ano, à volta de três biliões de dólares.

Em 2006 a pornografia infantil mundial arrecadou cerca de 97 biliões de dólares, sendo 13 biliões facturados nos Estados Unidos da América (Internet Filter Review, 2006)" (p.81)


“Assim que a criança inicia o seu percurso no mundo virtual tente acompanhá-la e mostre-se interessado nas descobertas do mesmo. (…)

É indispensável comprar programas de software que auxiliam ao bloqueio de sites (…) tais como os de índole pornográfica, violência (…)

Estes programas permitem controlar o tempo que as crianças passam ao computador (…)

Lentamente faça pequenas advertências, crie regras para a navegação segura, determine horários de navegação e mantenha se possível o computador comum a todos e fale dos potenciais perigos da internet” (p.88)

 

 

 

 

 

12/15/2008

ALTERNATIVA 10



STRAHAN, David, A Última Crise do Petróleo – Manual de Sobrevivencia para a Extinção Iminente do Homem do Petróleo, Lisboa, Pub. Europa-América, 2008 (352 pp. ca. 21.50 euros)

 

“Se as actuais tendências de crescimento da população mundial, bem como a industrialização, a poluição, a produção alimentar e a exaustão de recursos continuarem inalteradas, os limites do crescimento para este planeta serão atingidos, em algum momento, dentro dos próximos cem anos. O resultado mais provável será um declínio súbito e incontrolável tanto na dimensão populacional como na capacidade da indústria” (in: “The Limits of Growth” cit. p.309 [The “Limits of Growth”, livro publicado em 1968 por dois fundadores do Clube de Roma: Aurélio Peccei e Alexander King - N. de Kriu]

Sites citados por D.S, respeitantes ao tema do livro:

www.endofsuburbia.com

www.brennenstuhl.com

www.renewableenergystocks.com

[Nota de K.: alguns destes sites são empresas que comercializam fontes energéticas alternativas]

12/12/2008

EUROPA 7




TREMONTI, Giulio, O Medo e a Esperança - Europa. A Crise Global e as Medidas Necessárias Para a Ultrapassar, Lisboa, editorial Presença, 2008 (117 pp. e ca. 12 euros)

 “Foram duas as datas que mudaram a estrutura e a velocidade do mundo em que vivemos: 9 de Novembro de 1989; 15 de Abril de 1994. (…) A primeira é a data-mãe. Assinala a queda do muro de Berlin. (…) A segunda é a data-filha, o dia do estabelecimento (…) do Acordo da OMC (Organização Mundial do Comércio.) (p.37)


“O mercadismo (…) padroniza e anula os velhos diferenciais” (p.39)


“Mercado único, erro visceral. Jamais na história da humanidade um processo político da dimensão do que foi iniciado com a OMC, a abertura do mundo ao mercado, foi aceite e introduzido com uma tão imediata e superficial precipitação.” (p.43)

 

 “A história política da Europa comunitária pode ser esquematicamente dividida em três fases:

a) (…) depois da guerra, a fase heróica, a dos grandes princípios e dos grandes homens.

b) (…) a extensa fase económica: do mercado único à moeda única (…) foi certamente uma fase dominada pela economia.

c) presentemente deverá ter início a fase propriamente política.” (p.106)

 

“Os islâmicos arriscam a própria vida pelo Islão, enquanto nós não sabemos sequer assumir-nos como cristãos. Um continente que fala, com uma só voz, de economia mas não de valores espirituais, é uma entidade meramente nominal” (p.110)

12/11/2008

RUA AUGUSTA 7 A Vingança da Memória


Agora sim, vamos ter em Lisboa um bilhete que dá para vários transportes. 


A crise do petróleo e a ruína geral dos “capitalizados” levou a esfarrapada classe média/média-alta lisboeta pela primeira vez a andar de transporte público (sei o que digo, pois o meu juvenil “voto de despojamento” serviu-me para algo mais do que para empobrecer a escrita) e agora, sim, já a vejo, à boa burguesia, em Lisboa, como em Paris ou Londres, no metro e nos autocarros. 


E não é que surge finalmente um bilhete único para os vários transportes? 

Não há como os que mandam usarem aquilo sobre que legislam! 

Sim, porque até agora quem andava de transporte público bem podia clamar contra as diferenças entre o metro, a carris, a CP ou Transtejo que obrigavam à compra de um bilhete para cada qual, a fim de se fazer a tal hora de trajecto, coisa que encontrei já na Dinamarca em 1972 e, finalmente, é possível em Portugal!

Mas agora sim, a coisa fia fino e surge o tal bilhetinho. 

Vá lá, foi ao fim de trinta e quatro anos de democracia! (Afinal o primeiro abrigo numa paragem da carris surgiu “apenas” ao fim de quinze…)


Outra curiosidade: o erro que uma geração inteira faz ao escrever “fala-mos”, em vez de “falamos”; “dize-mos” em vez de “dizemos”, “transporta-mos” em vez de “transportamos”, isto é, tornar reflexa a primeira pessoa do plural ou, dito de forma mais abreviada: pessoalizar o colectivo.


Para mim este erro tem uma razão que mistura política e português.


Na década de oitenta – quando a tal geração que hoje é licenciada e escreve com aquele erro aprendia (mal) na Escola – na década de oitenta está-se em plena anestesia política à revolução de Abril: os livros deixam de contar o  que foi a dinâmica do povo, o Natal regressou ao segredo dos lares e as telenovelas já dominam os serões, ou seja, quanto respeite ao mexer popular deixou de ter qualquer referência nos media e nas escolas. E o resultado foi este erro que hoje surge como a sombra do pecado cometido contra a memória histórica.


Que significa sinalizar de forma reflexa a primeira pessoa do plural, pois é disso que se trata quando se escreve “fala-mos” em vez de “falamos” ou “dize-mos” por “dizemos” - senão que o colectivo – o nós – se fecha sobre si próprio, se reflecte, passa a ver ao espelho, em vez de no/com o Outro?

 

O erro da geração que ora vai na casa dos trinta reflecte, como acima disse, as vicissitudes da política portuguesa: em determinado momento da nossa história pós-revolucionária mais precisamente a partir do golpe de 25 de Novembro e respectiva imposição do “estado de sítio”, o povo português – agora diz-se o “cidadão comum” - foi obrigado a dobrar-se sobre si próprio, “umbiguizar-se” (olhar para o umbigo)  deixando de discutir a política na rua, abdicando de reunir política e sociedade, como entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro  de 1975 sucedeu. (“Marx escreve em “A Questão Judaica” e noutros sítios que os enigmas da política moderna serão resolvidos quando «o homem real e individual» conseguir reunir de novo em si «o cidadão abstracto [político] de modo que a política e a sociedade voltem a estar unidos, e «só então se realizará a emancipação humana» (Paul Ginsbor, in A Democracia Que Não Há – Que Fazer Para Proteger O Bem Político Mais Precioso do Nosso Tempo – As Multinacionais e Os Impérios de Tv e Comunicação Social Estão a Dominar os Lobbys Políticos Por Todo o Mundo. Será Possível Salvar a Democracia?, Lisboa, Teorema, 2008. p. 72,3).

Ou seja, “cala-mos”, “sofre-mos”, “paga-mos” em vez de “calamos”, “sofremos” ou “pagamos”, e outros disparates gramaticais idênticos próprios de uma “Geração  Anestesiada” (da memória portuguesa, da formação de Portugal, e, sobretudo, de si mesma!) uma geração sacrificada às passagens administrativas na Escola, a fim de que os fundos europeus não fugissem do País – e fossem, não para a educação e ferrovia como deveria ter sido, mas exclusivamente para os lobis das petrolíferas/construção de estradas -  e então, dizia eu, “cala-mos” “sofre-mos” ou outros erros idênticos não são, pois, meros erros gramaticais mas verdadeiras vinganças da memória, a mostrarem à saciedede a história dos tempos pós-revolucionários: depois da festa, do mundo onde a politica e a sociedade estiveram de facto reunidas, veio o reflexo sobre si próprio, o virar-se para o espelho, a perda do sentido do Outro, do colectivo.

Por isso a geração que sofreu, ainda em criança, as consequências da anestesia lançada sobre os pais – e o país -  escreve hoje, quando já adulta, “faze-mos” em vez de “fazemos”.

Como se ainda achasse que fazemos… sozinhos.  

 

 

 

 

video

12/09/2008

FUTUROLOGIA 2

Brockman, John, (coord.) Grandes Ideias Perigosas, Lisboa, Tinta de China, 2008 (Ca. 373 pp. e 17.90)

J.Brockman, in Prefácio:

“Em 1991, propus a ideia de que uma terceira cultura, que «consiste nos cientistas e outros pensadores do mundo empírico que, através do seu trabalho e dos seus ensaios, estão a tomar o lugar do intelectual tradicional na tarefa de tornar visível o significado mais profundo da vida, redefinindo quem somos e aquilo que somos».  Em 1997, o crescimento da internet permitiu a implementação de uma casa para a terceira cultura, um site chamado Edge (www.edge.org (...) onde «pensar com esperteza» prevalece sobre a anestesia da sabedoria. (p.17)


John Hogan:

“A ideia perigosa (provavelmente verdadeira)(…) é a de que nós humanos não temos alma” (p.37)


Keith Dovlin:

"Criaturas vivas capazes de reflectir sobre a sua própria existência são um acidente normal existindo por um breve momento na história do universo. Pode existir vida noutra parte do universo mas não terá consciência e auto-reflexão. Não há Desígnio Inteligente e nenhum objectivo mais elevado para as nossas vidas (…) Muitas pessoas acham que esta sugestão é perigosa porque vêem-na como um caminho para uma vida desprovida de significado ou valores morais (…) O facto de a nossa existência não ter um propósito para além de si mesma é completamente irrelevante para  a maneira como vivemos a nossa vida, uma vez que estamos dentro da nossa existência. O facto da nossa existência não ter um propósito para o universo – seja o que for que isso significa – não quer dizer, de maneira nenhuma, que não tem propósito para nós." (pp.72,3)

 

David Gelernter:

“Se esta é de facto a “era da informação” então as pessoas estão bem informadas acerca de quê, concretamente?” (p.123)

 

Lee Smolin:

“Acredito que alcançaremos a clareza relativamente a estas e outras implicações assustadoras da ideia de que todas as regularidades observáveis, incluindo aquelas que nos habituamos a designar como leis, são o resultado de evolução por relação natural. E acredito que, quando isto for alcançado, Einstein e Darwin serão encarados como parceiros na maior revolução ainda por acontecer na ciência, uma revolução que ensina que o mundo em que nos encontramos não é senão uma rede de relações sempre em evolução.” (p.160)

 

 

TESTEMUNHOS 16


AZEVEDO, Paulo, Uma Vida Normal, Porto, Porto Editora, 2008 ca.174 pp. e 13.90 euros

 

“Para mim na altura como agora não fazia sentido usar próteses apenas por questões estéticas” (p.59)

 

“… é  a partir do momento em que uma pessoa percebe que é diferente que pode aprender a lidar com isso e  aceitar-se melhor na diferença” (p.60)

 

“No ano em que me envolvi mais a sério nas competições, percebi (…) as dificuldades por que passam os atletas paraolímpicos por melhor que sejam. Não é apenas a ausência de apoios, é   a indiferença. Nesse ano por exemplo houve doze pessoas a representar Portugal na competição internacional dos paraolímpicos (…) Trouxeram 12 medalhas quase todas de ouro e todas ignoradas” (p.135)

 

“Se alguém com voto na matéria chegar ao pé de mim e me disser que eu não tenho talento, ai abandono tudo mas se me disserem que não posso ser actor por não ter mãos e pernas, me fecharem essa porta, eu bato a outra porta” (p.169)

 

“Quando não consigo fazer alguma coisa – mas só em ultimo caso, admito – peço ajuda. E isso não é motivo de embaraço, é sinal de carácter. Todos temos fragilidades.” (173)

Arquivo do blogue